Confira o que rolou no X Encontro Anual do Comuni

Confira o que rolou no X  Encontro Anual do Comuni

X ENCONTRO ANUAL DO COMUNI
Núcleo de Estudos de Comunicação Comunitária e Local
PÓSCOM - Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social

 

Data: 06/05/2014
Local: Universidade Metodista de São Paulo, em São Bernardo do Campo

 

Abertura:

A professora Cicilia Peruzzo destacou a importância do evento, como um encontro de pesquisa e troca de conhecimento, um espaço para apresentação de pesquisas concluídas por membros do COMUNI, vários estados do país e exterior, com uma participação de pessoas envolvidas no trabalho, ativando uma relação academia e comunidade.

Foi apresentado ou em vídeo, elaborado por Marcos Correa, com um breve histórico de encontros periódicos em comemoração aos dez anos do Núcleo COMUNI.

Relatos:

Na parte da manhã houve três exposições com relatos de pesquisa e experiências. A primeira a falar foi Suelen de Aguiar Silva (COMUNI e PÓSCOM - Metodista - São Paulo) que relatou sua pesquisa sobre “Comunicação e participação popular no projeto Casa Brasil”, tendo como objeto de estudo a unidade de projeto em Duque de Caxias / RJ .

A professora Marli dos Santos, coordenadora do PÓSCOM, deu as boas vindas aos participantes, lembrando a importância do grupo manter-se vivo e ativo com muitas pesquisas que contribuem “para que enxerguemos a comunicação comunitária como possibilidade, como resistência e promotora do crescimento de si e do outro”.

A jornalista Karina Sampaio apresentou a prática comunitária da Rádio Nova Paraisópolis de São Paulo (FM 87.5), da qual é coordenadora. A rádio funciona na sede da União de Moradores local, que há quatro anos conquistou a concessão.

Orlando Berti (COMUNI e PÓSCOM – Metodista São Paulo e Piauí) falou sobre “Processos comunicacionais nas rádios comunitárias do Sertão do nordeste brasileiro na internet”, resultado de sua tese de doutorado, defendida recentemente. A pesquisa focou oito emissoras: Rádio Canudos – Boa Viagem (CE); Rádio Cultura – Araci (BA); Rádio Interativa - Riacho de Santana (RN); Rádio Livramento – Livramento (PB); Rádio Maravilha – Maravilha (AL); Rádio Nova – Mirandiba (PE); Rádio Serra – São Francisco de Assis (PI); Rádio Simão Dias – Simão Dias (SE).

Debate:

Suelen: destaque para a rede de relacionamento social que se formou em torno do projeto Casa Brasil, embora tenha sido fracassado e à efetiva transformação de um pedaço da realidade. Empoderamento dos equipamentos públicos pela comunidade.

Karina: papel do comunicador - estimular, apoiar os locutores e orientar na elaboração de conteúdo da programação. Não há controle por parte dos apoiadores financeiros. A União dos Moradores controla a rádio. Desafio – trazer a população para participar da Rádio desde a programação, para uma construção coletiva.

Relato

A experiência “Cartilhas de comunicação para Incubadoras Solidárias em São Bernardo do Campo” foi apresentada pelo professor Roberto Joaquim de Oliveira (Cátedra gestão de Cidades/UMESP), acompanhado pelos professores Douglas e Sandra. O material é parte do projeto de implantação da Incubadora de Empreendimentos Solidários de São Bernardo do Campo – SBCSOL, que teve início em 2010, e é resultado da parceria entre a Universidade Metodista de São Paulo, o Instituto Metodista Granbery, a Prefeitura de São Bernardo e a Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP).

As cartilhas são de responsabilidade do Núcleo de Comunicação e o conteúdo foi baseado e discutido a partir de três autores: Paulo Freire, Bordenave e Mário Káplun e o objetivo é que a publicação seja um baú de ferramenta para os empreendedores. 

Relatos

Nivea Bona (COMUNI/PPGCom – Unisinos – São Leopoldo/RS) abriu os trabalhos da parte da tarde falando sobre “Práticas comunicacionais digitais de comunicadores inseridos em movimentos sociais de Curitiba e Sevilha na perspectiva da cidadania comunicativa”, tema de sua pesquisa de doutorado, a partir da trajetória de vida dos comunicadores entrevistados. Passando por conceitos como militância, mediação, habitus, competência comunicativa, tática, estratégia, intelectual orgânico e ressaltando a necessidade da universidade formar para essa área.

A professora Luzia Y. Deliberador (COMUNI/Faculdades Maringá – Londrina/PR) apresentou como experiência o vídeo “Paranacity: um olhar sobre a COPAVI”, produzido por seus alunos-orientandos, e que foca o impacto de uma cooperativa, fruto de assentamento do MST, na vida econômica da cidade. Destacou que existe um maior interesse por parte dos alunos de faculdades privadas na área da comunicação comunitária.

Ana Cristina Suzina (COMUNI/Académie Universitaire Louvan-Bélgica) apresentou sua pesquisa com o tema “Mais conectados, mais comuns? Efeitos do uso dos recursos digitais em mídias comunitárias nas experiências partilhadas no 8º Mutirão Brasileiro de Comunicação”, tendo como foco a construção de categorias de análise, a partir da obra (1998) da professora Cicilia Peruzzo.

Debate:

Luiza: não há meios de comunicação na cidade de Paranacity, embora a cooperativa seja o tema da pauta dos veículos de comunicação da região. Não houve contraponto entre os entrevistados - todos os favoráveis ​​à cooperativa.

Ana Cristina: use o programa NVivo para pesquisa quantitativa a partir de entrevistas e textos.

Nívea: dificuldade de “digerir” alguns autores clássicos como Bourdieu e o conceito de habitus. O comunicador se ressignifica quando não existe um ambiente de movimento social.


Rapidinhas:

  • Já está em: http://www.eventoscom.com.br/
  • Em comemoração aos dez anos da COMUNI, está sendo desenvolvido um trabalho de recuperação de textos de autoria de membros do Núcleo, publicado e / ou publicado, para criação de uma coletânea.

 

 

por Ana Valim